terça-feira

Hospital



Toda cirurgia é complicada. Não vem.

Na nossa cabeça parece que é um negócio bastante técnico, cuidadoso, milimétrico, mas aí eu ligo na Sony e o Extreme Makeover me convence que cirurgiões e açougueiros não são muito diferentes entre si, fora o salário. Vivem cortando carne, nem sei como eles não ficam com os braços sarados.

Estou no hospital. Meu médico, que vai fazer minha cirurgia, entra e vem me cumprimentar.

Aperto a mão dele e dou dois tapinhas no braço. Adivinhem.

Braço duro como pedra. Tríceps definido saltando. Sim, aquele músculo do movimento de cortar carne! É a minha cirurgia dando sinais de que vai ser bem delicada.

A enfermeira pede que eu fique pelado e bote aquela roupinha simpática de paciente que fica com a bunda de fora. Gata ela, acato a ordem sem problemas.

Porém a visão do meu corpo nu a afetou tanto quanto um ventilador desligado.

Enfermeiras devem ver muita gente pelada todos os dias, pondero eu muito sem ter o que fazer no quarto de paciente esperando a hora da cirurgia.

Tédio... bem que meu pai podia ter pago a taxa pra ter a TV no quarto, mas ele fez questão de não pagar os 7 reais.

Agora pagaria até uns 50 pra ver a Ana Maria Braga.

Caralho, estou alucinando. Acho melhor dar uma passeada pelo corredor para arejar meu cérebro.

Antes disso vem a enfermeira e me dá o remédio da anestesia.

Acordo, grogue e com o corpo todo dormente. Duas horas depois da frase acima.

Meu médico vem e diz que a cirurgia foi um sucesso. Você já viu algum médico dizer que a sua cirurgia foi mais ou menos ?

Ele diz que hoje eu tenho que permanecer deitado e com o tronco completamente imóvel.

A primeira vontade que eu tenho é de fazer xixi. E aí entra a coisa que mais me impressiona em hospital que é o tal do patinho, aquele troço que a gente usa pra fazer xixi deitado na cama.

Caralho, mermão. Como é difícil fazer xixi assim, é uma luta dentro do seu cérebro pra que ele entenda que não tem problema mijar deitado.

Peço pro meu pai ligar a torneira. Barulho de água, certo que vai agora. Relaxo...

Relaxei demais. O patinho estava fora da mira. Mijei a cama toda.

Lá vem a enfermeira trocar a colcha. Que vergonha.

Numa hora dessas você espera um sorriso de compreensão ou uma piadinha descontraída pra quebrar o clima chato né.

Porra nenhuma.

A enfermeira fechou a cara e ainda soltou um "tsc" bem alto.

Escrota ela.

Lá vem o jantar. Comida de hospital.

Se fizessem um Oscar das coisas mais sem graça do mundo, comida de hospital levaria o prêmio todos os anos.

Tá. Tá bom. Seria indicada, vai.

Não posso comer nada sólido nem quente, aí vem uma sopa branca "de alguma coisa" muito da safada morna pra fria e sem sal.

Aí, na moral. Repensem quando forem fazer cirurgias.

Pô, essa sopa não caiu bem não... acho que vou...

Vomitei.

Lá vem a enfermeira de novo trocar a colcha. Que vergonha.

Dessa vez ela ficou puta mesmo. Me deu até um empurrão de leve, eu ainda babado de vômito, arregalei os olhos surpreso.

Antes de sair ela ainda me deu um leve tapa na cabeça quando meu pai não estava olhando, e nem limpou a minha baba a vadia.

A outra enfermeira me traz um remédio qualquer.

Em um minuto, sinto uma vontade enorme de cagar. E agora ? Como se caga na cama ?

A enfermeira entra dizendo que deu o remédio errado, aquilo era um laxante!

- Pai, quero cagar!
- Segura.
- Não dá!
- Segura!
- ... não deu.

Caguei a cama toda.

Sinto um caldo quente descendo pelas minhas coxas até chegar nos joelhos.

Lá vem a enfermeira de novo trocar a colcha. Que vergonha.

Peço pro meu pai ficar do meu lado dessa vez. Tô com medo.

- Eduardo. Você fede muito neste momento. Vou lá embaixo fumar.

Eu, sozinho, imóvel, todo cagado, fedido, com o cu na mão, esperando a enfermeira psicopata entrar. Que medo.

Ela entra e vê a festa de bosta que eu dei na cama.

Pega o meu prontuário, faz uma cara de assustada e sai correndo.

Estou confuso, desorientado e cagado.

Ela volta junto com meu médico.

- Eduardo, a sua cirurgia era de quê mesmo ?
- Apêndice.
- Xiii...

A enfermeira escrota se delicia.

- Haha! Se fudeu cagão da bosta quente!

Hoje estou processando o médico, claro.

Desde quando uma cirurgia de apendicite pode ser confundida com... fimose.

Pudera ter errado a mira no patinho.

Um comentário:

Adner disse...

Achei que o final seria com uma cirurgia de mudança de sexo. Até que vc saiu no lucro. Depois de operar, quando estiver de molho, se estiver se sentido bem podemos marcar um Poker na tua casa como foi aquele, só convocar.