segunda-feira

Barata



Crec.

Mas que merda. Baratas. Eu sabia que não podia ter vindo com meu sapato novo.

Estou visitando meu escritório antigo, que faliu.

Está tudo empoeirado, sujo, um homem morto está pendurado no teto.

Quando eu passo pela minha antiga mesa vejo um aglomerado de baratas olhando pra mim. Baratas nojentas.

Quando viro minha lanterna para o fundo do escritório vejo algo grotesco, nunca antes imaginado... meus olhos não acreditavam, aquela porra era real!

Uma barata gigante sentada em uma cadeira de balanço fumando um cachimbo de crack.

A barata tinha 1,80m e cruzava as pernas enquanto uma pata segurava o cachimbo as outras preparavam a próxima dose.

- Puta que o pariu... o que é você ?
- Bem, eu que pergunto meu caro, quem é você ?
- Eu trabalhava aqui.
- Sei.
- ...
- Eduardo, desde que seu escritório faliu, muitas coisas aconteceram por aqui. Esta sala passou pelas mãos de muitas pessoas, empresas... hoje, quem manda nesta porra aqui, sou eu.
- E o que você faz aqui ?
- Eu toco meu negócio. É claro, junto de meus funcionários.
- Funcionários ?

Centenas de baratas se aglomeram ao meu redor, todas de fato parecem de alguma forma hipnotizadas pelo baratão.

- E como funciona seu negócio ?
- Bem, é bastante simples. Todas estas baratas buscam pela cidade pequenas pedras de crack e trazem até aqui no meu ponto de venda.
- Então isso aqui é uma boca de fumo.
- Exatamente, meu caro. Preço de custo ? Zero. Negócio da China. Da China!
- E esse cara pendurado no teto ?
- É um filho da puta. Não pagou. Amanheceu com a boca cheia de barata.
- Você foi sempre grande assim ?
- Não, já fui uma barata normal, como todas estas outras aqui.
- Como você conseguiu ficar deste tamanho ?
- Com exercícios e uma dieta rica e balanceada.
- Sei.
- Cá entre nós, Eduardo. Todas estas baratas idiotas aqui só querem saber de comer açúcar e outras besteiras, sabe. Eu, não. Me preocupei em comer bastante arroz com feijão, e é claro, Biotônico Fontoura.
- Baratona, estou pensando em reaver o escritório para nossa antiga empresa.
- E eu com isso.
- Bem, estamos pensando em comprar este espaço.
- Você está querendo instalar um escritório em um ponto de venda de crack ? Você é um idiota ou o quê ?
- É que rola um sentimento de saudosismo, sabe. Não vai ser a mesma coisa se não for aqui.
- Eduardo, quando vocês trabalhavam aqui em 2001 eu batia ponto todo dia no escritório, pegava aquelas migalhas de biscoito recheado e o resto de iogurte de morango que você deixava em cima da mesa. Desde aquela época eu já visualizava meu ponto de venda funcionando aqui. Você acha que eu não tive envolvimento nenhum no fim do escritório de vocês ?
- Você é mesmo uma barata visionária.
- Sou, e sou pra caralho.

Nesse momento cai um pedaço de gosma preta da bunda da baratona.

- Essa porra.
- O quê ?

A barata tenta disfarçar a gosma que caiu lentamente da sua bunda.

- Essa porra é cocô ?
- É, mais ou menos.
- Fede ?
- Sim.
- Você solta isso o tempo todo ?
- Não, só quando me sinto ameaçada.
- Porra nenhuma. Você solta isso o tempo todo. Eu vi.
- Tá, tá. Nada que eu me orgulhe, ok ? Agora vamos parar de falar sobre isso, por favor ? Mas que merda isso.

2 semanas depois já éramos amigos e trabalhávamos juntos na boca de fumo.

Certas amizades forçam um profundo conhecimento e acabei descobrindo que a barata é a maior tarada sexual.

Eu, ainda na dúvida quanto à atividade e à própria sexualidade da baratona, apenas concordava com resmungos ou palavras monossilábicas, tipo, chegava a ser inconveniente, sabe.

Fomos no Habib´s comer esfihas e a baratana começou a dar em cima da caixa-atendente.

- Me dá seu telefone.
- Mas você é uma barata nojenta.
- E daí.
- E daí que não vou sair com você!
- Tá... então mostra os peitinhos!
- Não!
- Mostra!
- Não!
- Tá, tá... mostra só o esquerdo então.

Resolvi jogar limpo com a barata.

- Barata, acho que você não vai encontrar nenhuma garota disposta a dar pra você, não.
- Como não ?
- Sei lá. Elas... vão achar nojento transar com você.
- Tá me chamando de suja ? Ah não, a última coisa que eu sou, é suja.

Nesse momento cai aquela gosma da bunda dela.

- Aí.
- ...
- Aí. Você solta essa porra o tempo todo. E essa porra fede pra caralho.
- É verdade...
- Você não tinha que procurar outras baratas pra fazer sexo, não ?
- Mas que saco você, hein. Fiquei muito grande, cara! Agora quando tento transar com outras baratas acabo esmagando-as.
- Hum. Então você tem que encontrar algo tipo uma barata que seja do seu tamanho, né.
- É né, mas aonde ?
- Hum.
- Que foi ?
- Vou te arrumar alguém pra comer...
- Quem ?


Pego meu celular e ligo pra Elza Soares.
- Topa ?
- "Claaarrrooo..."

Nenhum comentário: