terça-feira

Mega Sena


Ah, a Mega Sena...

Objeto de desejo, musa inspiradora de tantos sonhos brasileiros.

Tão distante e ao mesmo tempo tão próxima.

A confiança que temos em acertá-la é tão grande quanto à de converter um pênalti, mas na realidade a chance de ganhar é tão provável quanto a... ganhar na mega sena.

- Gente, acumulou de novo. Está acumulada!
- Eduardo, chegou a hora de você ganhar. Você nunca jogou na vida! Quem ganha, é quem nunca joga!

Taí. Minha mãe mostrou tanta confiança e sabedoria em suas palavras, que cegamente acreditei que estava ali minha chance de levar a vida como sempre quis:

Em casa vendo filmes e tomando sorvete.

Debaixo do edredom, no ar-condicionado, bem acompanhado.

- Taí, mãe. Vou jogar!

Fui até a casa lotérica, peguei aquele papelzinho maroto e aquela caneta de ferro acorrentada e desandei com meus pensamentos. Sabia que aquele momento era importante.

De alguma forma, no mínimo, deve rolar um transe à lá Chico Xavier para marcar os números certos.

Fechei os olhos e respirei fundo. Busquei conexão com o universo. Pensamento positivo. Lembrei do filme "O Segredo". Esqueci do filme "O Segredo".

Botei a mão na testa igual ao líder espírita e saí marcando a esmo bolinhas de tinta no papel. Seis ao todo.

Abri os olhos. Marquei 23, 26, 28, 33, 34 e 37. Eu não mexi a mão direito e saiu tudo meio no centro do papel.

Jogo de merda. Rasguei e comecei outro.

Dessa vez, com os olhos bem abertos, marquei números bem distribuídos, um em cada linha: 8, 17, 25, 31, 44 e 56.

Ah, muleque. Isso sim que é jogo vencedor. Esse tem cara de campeão.

Saí da lotérica com uma sensação incrível. Era quase uma certeza.

Eu vou ganhar na mega-sena. Eu vou ser milionário.

Liguei para avisar meus amigos.

- Semana que vem tem passeio de iate em Angra, hein. Pode espalhar a notícia.

Eles desligavam sem responder nada.

Cheguei em casa e contei a boa nova pra minha mãe.

- Mãe! Vou ganhar na mega-sena!

Ela desmaiou.

No mínimo achou que eu já tinha ganhado. Depois de dois minutos, acordada, ao entender que era somente uma brincadeira motivada por minha confiança, me deu um esporro:

- Filho da puta!

Sempre achei curioso e estranho o fato da minha mãe sempre me chamar de filho da puta.

No dia do sorteio, convoquei os amigos pra minha casa para ouvirmos no rádio o anúncio das dezenas.

Ninguém foi. Nem minha mãe quis ouvir. Tava puta ainda.

Eis que sai o resultado...

...

...

...

...

23...

...

26...

...

28...

...

33...

...

34...

...

37...

...

...

... ...

...

- E temos um vencedor! Ele é do Rio de Janeiro!

(Reportagem do Extra no dia seguinte)

"Ganhador da mega-sena ganha de forma inusitada"

O ganhador da última Mega-Sena admitiu que sua aposta foi feita de forma, no mínimo, curiosa. "Estava na lotérica quando vi um papel amassado na lata de lixo com aquelas dezenas. Acabei jogando aquele jogo e ganhei!" confessa, ao receber o prêmio ontem à tarde. Perguntado se sabia quem havia jogado aquele papel fora, ele não soube informar: "Olha, não sei dizer quem, mas neste momento ele deve estar no mínimo, bastante chateado", ri o mais novo milionário carioca."

Um comentário:

Anônimo disse...

Cara ,vc realmente é um grande contador de historia pois esses numeros nunca foram sorteados na mega ...