sábado

Dia dos Namorados



Juliana sai pela porta.

Linda, com um vestido longo vermelho, salto alto.

Ricardo, dentro do carro, tentando checar quanto tá o jogo do Flamengo pelo celular.

Ela abre a porta do carro e o abraça. Joga o cabelo de lado para que ele veja o lindo colar que ela guardou para usar em um momento tão especial.

Ele tenta sintonizar a Rádio Tupi AM pra ouvir o jogo. O rádio do carro sempre foi ruim. Só se ouvem ruídos altos e chiados.

Ela estranha.

- Você consegue ouvir alguma coisa?
- Não, más da pra perceber quando é gol.
- Abaixa um pouco, bem. Tá alto.
- Tá bom assim.

Um ruído mais longo se ouve.

"ooooosssshooooooshhhhoooo"

- Aí. É gol!
- De quem?
- Não sei.

Ele acelera e pára o carro na esquina. Liga o pisca-alerta. Abre a porta do carro e sai em direção ao pé-sujo mais próximo.

Ela, dentro do carro ouvindo ruídos e chiados, se estica e o vê se aglomerando em meio à multidão em frente à TV com pay-per-view do pé-sujo. Em seguida, o vê abraçando um mendigo desdentado e sujo com camisa do Flamengo.

Ele volta.

- Gol do Flamengo.
- É final?
- Não. É a 2a. Rodada do returno do Campeonato Carioca.
- Sei. Onde vamos hoje? Você prometeu um jantar especial. É nosso aniversário de um ano de namoro, e é dia dos namorados.
- Então, meu bem. É uma surpresa. Vou te levar no que tem de melhor nessa cidade.
- Ai, que bom.
- O PODRÃO DO CHICO!

Ele pára em frente a uma barraca de cachorro quente no Humaitá, que fica ao lado de um ponto de ônibus.

Ele pára o carro em mão dupla e liga o pisca alerta.

- Não é melhor estacionar?
- Não. Tá bom aqui. É rapidinho. Chico! Faz dois aí no capricho!
- Completo?
- Completo.
- Desce dois completo no capricho! Bota strogonoff? Fica bom.
- Bota!
- Meu bem, eu não gosto de strogonoff.
- Pode deixar, minha senhora! A senhora vai gostar!

Chico é uma figura folclórica no Humaitá. De dia trabalha como mecânico e de noite vende cachorro quente em sua barraca vermelha pintada com o nome em branco de "Podrão do Chicão".

Chico traz dois cachorros quentes mal montados pingando strogonoff, purê de batata, tomate, alface, queijo, catchup, maionese, mostarda, batata palha, milho, ovo, óleo… Juliana não conseguia crer que pudesse caber tanta coisa dentro de um só pão.

- Segura ae.

Juliana segura seu cachorro quente com dificuldade, não conseguindo impedir que metade dos molhos caia em seu vestido novo.

- Vai beber o quê?
- Manda a promoção aí do guaraná natural.
- Desce dois guaraná natural!
- Chico! Faz o seguinte. Completa com água e bota em quatro copos! Pra render mais.

Chico pega o guaraná natural e completa com água tirada de uma garrafa PET sem rótulo que estava debaixo do seu banquinho.

Chico traz equilibrando os quatro copos de plástico. Os copos são daqueles moles, que você aperta e facilmente amassa, derramando tudo.

Enquanto tudo isso acontece, o rádio continua sintonizado na Tupi AM onde só se ouvem ruídos e chiados.

"sshhhhhhh.. Flamengo…..shhhhhhh….. pela direita…….shhhhh…..Obina…shhhhhh"

Ricardo percebe que Juliana ainda não tocou em seu sanduíche. Ela estava mais preocupada em não destruir de uma vez por todas o seu vestido.

- Tá ruim o seu?
- Ricardo, eu não como strogonoff.
- Chico! Tira o strogonoff!
- Tira o strogonoff!

Um gordo de bigode ajudante do Chico, usando calça preta apertadíssima e camisa do Bangu colando em suas gorduras mais que salientes, testa suando, pega a colher enferrujada e joga o strogonoff do cachorro quente de volta no tupperware com cara de poucos amigos.

Chico devolve o cachorro quente com rastros evidentes do strogonoff.

Juliana, ao ver aquela salsicha mal colocada saindo pela metade do pão, quase caindo, aqueles restos de milho, ovo frito, batata palha dura, lança algumas mordidas no pão, pois está com muita fome.

Ela olha para Ricardo, que devora seu cachorro quente, com a boca toda suja.

Nesse momento, um ônibus começa a lançar farol alto para Ricardo, que está parado em mão dupla com o pisca alerta ligado.

- Passa por cima, vai! Passa por cima, porra!

Ricardo gesticula jogando o braço pra fora do carro enquanto olha com raiva para o retrovisor.

Ricardo percebe que Juliana comeu apenas 1/8 do seu cachorro quente.

- Vai comer?

Juliana balança a cabeça.

- Passa aí.

Ricardo devora o sanduíche em três mordidas, para o espanto de Juliana.

- Quanto deu, chefia?
- Duas promoções do guaraná natural. 3 reais.

Ricardo se ajeita todo na cadeira enquanto enfia profundamente a mão em seu bolso. Nunca se viu bolso tão fundo. Arranca de lá algumas notas amassadas de 2 reais, desdobra e entrega pra Chico, que se vira para Juliana e pergunta.

- E aí? Gostou? Bom, né?
- É. Bom...
- Um feliz dia dos namorados pra senhora!

Um comentário:

@DreamyGirl_ disse...

Que dia dos namorados tenso!